FUTEBOL»» Portugal (Sub 17) está na final do Europeu

Alemanha ou Espanha será o adversário…

VITÓRIA SOBRE A HOLANDA DÁ PASSAPORTE PARA A FINAL QUE SE REALIZA NO PRÓXIMO SÁBADO



Portugal venceu, ao princípio desta tarde de quarta-feira, a Holanda por 2-0, na Dalga Arena de Baku, e garantiu de forma brilhante a passagem à Final do Campeonato da Europa de sub-17.

No próximo sábado, às 15h00, no Estádio 8km, vai disputar o título de campeão europeu com a Alemanha ou a Espanha que, ainda hoje, disputam a outra meia-final do Euro 2016.

A Equipa das Quinas [que ainda não sofreu golos nesta fase final] consegue, no escalão de sub-17, atingir a primeira final depois do título conquistado em Viseu, em 2003.

Num jogo que se iniciou sobre o signo do equilíbrio, Portugal foi gradualmente assumindo, depois dos 10 minutos iniciais, as despesas do ataque.

Depois de uma primeira incursão perigosa, com remate interceptado, de João Filipe, os holandeses criaram perigo com um centro que sobrevoou a área de Diogo Costa.

Aos 15’, numa arrancada vertiginosa, Rúben Vinagre levou a bola da saída da área portuguesa até ao último reduto do adversário onde só o último defesa holandês conseguiu cortar a jogada. Na sequência de um canto, Florentino, de cabeça na grande área, teve a primeira grande oportunidade lusa de fazer golo no encontro.

Com um domínio cada vez mais intenso, Gedson Fernandes, aos 18´, com um remate fora da área, obrigou o guarda-redes adversário a uma boa intervenção, para, no minuto seguinte, José Gomes não chegar a tempo de fazer, assistido por Mesaque, o desvio para a baliza.

Aos 23´, após livre lateral de João Filipe, Mesaque Dju, em excelente posição na área, fez um desvio de cabeça rente ao poste.

Água mole em pedra dura tanto dá até que fura, e aos 26´, Portugal passou para a frente no marcador. Na sequência de um livre na meia direita marcado pelo esquerdino Rúben Vinagre, José Gomes desembaraçou-se da marcação laranja e cabeceou, sem hipóteses, para o seu sétimo golo na competição.

Sempre ofensivo, concentrado e competitivo, Portugal fechou as hostilidades da primeira parte, aos 31´, quando José Gomes falhou por centímetros o desvio para golo numa bola que sobrou na área.

No reatar, Portugal continuou na mó de cima, vendo um golo ser anulado logo no primeiro minuto, após cabeceamento certeiro de José Gomes.

Os holandeses responderam pela primeira vez, desde os minutos iniciais da partida, com um remate perigoso de Chong na marcação de um livre direto. Portugal, com um jogo sempre mais apoiado e técnico, voltou a dar sinal de perigo com um bom remate, aos 50’, de Domingos Quina.

Aos 56´, Portugal ampliou a vantagem no marcador e caminhou decisivamente para a final da competição. Diogo Dalot recebeu a bola na meia direita e flectiu para o meio da área: depois de ludibriar um defensor com um simulação, chutou imparável para a baliza laranja.

Sempre muito competitivo, Portugal manteve a cabeça fria e resistiu confortável à reacção holandesa. Um centro interceptado por Diogo Dalot "in extremis" foi o melhor que o adversário de Portugal conseguiu até final do jogo.

Nunca prescindido da vocação ofensiva e da personalidade que tem prestigiado o futebol português, Portugal escreveu uma página de ouro em Baku.

No próximo sábado, uma equipa brilhante e orgulhosa, joga o último round. Para fazer história.




FICHA DE JOGO
Dalga Arena, Baku (Azerbaijão)

ÁRBITRO: Peter Kralovic (SLK)

PORTUGAL: Diogo Costa, Diogo Dalot,  Diogo Queirós (Cap.), Diogo Leite, Rúben Vinagre; Florentino, Gedson Fernandes, Domingos Quina (Miguel Luís, 58´), João Filipe (Thierry Correia, 74´), Mesaque Dju e José Gomes.
Suplentes: Luís Maximiano, Thierry Correia, Luís Silva, Lameira, Rafael Leão e Mickael Almeida
Treinador: Hélio Sousa
Golos: José Gomes (26´) e Diogo Dalot (56´),
Disciplina: Cartão amarelo: Miguel Luís (62´).

HOLANDA: Van De Meulenhof, Bakboord, De Ligt (C), Wijndal, Wehrmann, Leandro Fernandes, Malen, Chong, Kadioglu, Nunnely (Kluivert, 53´) e Malacia
Suplentes: Vink, Struuijk, Reith, Teze e Van De Lool
Treinador: Kees Van Wonderen (NED)
Disciplina: Cartão amarelo Wehrmann (41´).

Fonte: FPF

Share on Google Plus