COM. INDÚSTRIA»» Já é conhecido o nome do novo treinador


Foi técnico do clube sadino em 2010/2011 e 2011/2012…


CARLOS CHABY ESTÁ DE REGRESSO A UM CLUBE QUE BEM CONHECE


“O projecto para 2016/2017 passa por manter pelo menos 80% do plantel anterior, efectuar um campeonato tranquilo, apostar na Taça da AFS e consolidarmos a nossa presença na 1ª divisão distrital, para no ano do centenário, com outros apoios e mais condições, tentarmos dar o salto para os campeonatos nacionais e oferecer ao clube a prenda mais desejada”


O professor Carlos Chaby, de 47 anos, é o novo treinador do Comércio e Indústria, sucedendo assim no cargo a Carlos Ribeiro que orientou o clube sadino nas últimas quatro temporadas.

A notícia, que foi avançada pelo trissemanário “O Setubalense” na passada semana e publicada ontem na página do clube no facebook, foi confirmada ao nosso jornal pelo vice-presidente para o futebol sénior, Pedro Raposo.

Carlos Chaby, possuidor do curso de 3.º Nível, está assim de regresso a um clube que treinou nas épocas de 2010/2011 e 2011/2012. No seu percurso de treinador conta também com passagens pelo Palmelense na época de 1998/1999 e Vitória de Setúbal, desde 1999/2000 a 2009/2010.


“No ano do centenário queremos dar o salto para os nacionais”


Em declarações ao JORNAL DE DESPORTO, o vice-presidente do clube sadino disse que “o projecto para 2016/2017 passa por manter pelo menos 80% do plantel anterior, efectuar um campeonato tranquilo, apostar na Taça da AFS e consolidarmos a nossa presença na 1ª divisão distrital, para no ano do centenário, com outros apoios e mais condições, tentarmos dar o salto para os campeonatos nacionais e oferecer ao clube a prenda mais desejada”.

Pedro Raposo adiantou também que “20% do plantel será integrado por ex-juniores da equipa que tão brilhantemente, logo no primeiro ano de competição, se sagrou campeã da 2ª divisão distrital”.

“Como estamos aqui numa espécie de "enclave", com a maior fatia de clubes que disputam a 1.ª divisão sediados a norte do distrito e três a sul, o recrutamento torna-se difícil; ou seja, o futuro do UFCI passará por uma aposta muito forte na formação”, salientou o dirigente do clube alvinegro que precisa urgentemente de melhorar as suas condições de trabalho.


“Necessitamos de oferecer melhores condições e isso passa pela instalação de um sintético no nosso campo”


“Pretendemos tirar dividendos da nossa Academia Alvinegra, com sete equipas a competir nos diferentes campeonatos da AFS, mais 100 atletas no lúdico, mas para isso também necessitamos de oferecer melhores condições, o que passará pela instalação de um sintético no nosso campo, ou em terreno que nos foi cedido pela Câmara, aguardando por apoios que nos permitam avançar para a obra”, fez questão de realçar.

Share on Google Plus