DESPORTIVO PORTUGAL»» Mais uma equipa para competir na 2.ª Divisão Distrital

Três anos depois futebol sénior está de regresso ao clube…


EQUIPA QUE ESTAVA NO CRI MUDOU-SE NA TOTALIDADE PARA O VALE DA AMOREIRA


O Desportivo de Portugal, depois de ter estado três anos sem futebol sénior, volta já esta época a competir no Campeonato Distrital da 2.ª Divisão.

O início dos trabalhos que assinalam o regresso do clube à competição está marcado para o dia 18 de Agosto e as expectativas são grandes entre os associados e adeptos do clube que estavam desejosos que isto pudesse acontecer.

Mas o curioso de tudo isto está no facto do grupo de trabalho ser formado por treinadores e atletas que representavam o CRI, no campeonato da Fundação INATEL.

A explicação para o sucedido foi aliás explicada ao nosso jornal pelo treinador Carlos Lança: “Na altura quando formámos a equipa as coisas não se proporcionaram no Desportivo de Portugal e fomos para o CRI, onde competimos no INATEL. Agora aconteceu precisamente o contrário. Nós queríamos entrar para o distrital mas como o objectivo do CRI não era esse, trocámos de camisola”.

Na entrevista que concedeu ao nosso jornal, Carlos Lança abordou também outros pormenores relativos ao projecto.





“Em nós existia uma grande vontade de competir a outro nível”


Como surgiu esta ideia de fazer regressar o futebol sénior ao Desportivo de Portugal?
O clube já não tinha seniores há algum tempo e como em nós existia uma grande vontade de competir a outro nível [depois de dois anos no INATEL], juntou-se o útil ao agradável e colocámos em marcha este projecto para dar uma nova dinâmica ao clube a nível desportivo. É o primeiro ano e há ainda muitas coisas a rever e a acertar mas estamos confiantes em relação ao futuro. É evidente que tudo passa pela contínua evolução dos jogadores embora isso tenha os seus contratempos em termos desportivos porque se trata na sua maioria de jogadores jovens que não têm a capacidade de jogo que outros mais velhos. Quero com isto dizer que se torna muito mais difícil obter resultados a curto prazo e que é preciso ter paciência e esperar que eles cresçam como jogadores. Contudo, também tem a vantagem de existir uma maior vontade em termos de garra, na sua aplicação. Normalmente o que as equipas fazem é juntarem os melhores jogadores possíveis para obterem bons resultados, mas não é esta a minha intenção.

Disse que a equipa participou dois anos no INATEL mas isso não aconteceu com o Desportivo Portugal …
Sim, de facto nós estávamos no CRI. Foi aí que começámos por razões de conhecimentos pessoais. Na altura as coisas não se proporcionaram do Desportivo e fomos para o CRI. E, nesta altura aconteceu o contrário. O CRI tinha outras opções em relação à competição e, como nós entendíamos que não fazia sentido continuar no INATEL, encetámos conversações com o Desportivo Portugal que nos recebeu com satisfação.





“Estamos todos perfeitamente identificados com o clube”

Quer então dizer que o grupo de trabalho é o mesmo que estava no CRI?
Vamos receber um ou outro jogador como é natural mas a estrutura da equipa é basicamente a mesma, excepto o João Torres que fazia parte da área administrativa e pertencia à direcção do CRI. De resto, as pessoas que trabalhavam comigo vieram todas.

A equipa apesar de ter representado o CRI está identificada com o Desp. Portugal?     
Claro que sim. Nós não mudámos nada porque somos a mesma equipa e mantivemos a mesma estrutura. O que muda é apenas a cor das camisolas e o símbolo do clube. Sempre trabalhámos no Vale da Amoreira e conhecemos as pessoas. Portanto, estamos todos perfeitamente identificados com o clube.





Equipa não participa na Taça AFS

E o trabalho já começou?
Não. Vai começar no dia 18 de Agosto com as habituais apresentações. Depois, na semana seguinte já trabalharemos mais a sério. Como não participamos na Taça AFS e o campeonato só começa a 9 de Outubro temos tempo suficiente para preparar a equipa.

E quanto aos objectivos, já estão definidos?

Todos os treinadores gostam de ganhar e eu não sou diferente. Nesta perspectiva, iremos entrar nos jogos sempre com esse objectivo mas temos que ter consciência que se trata de uma equipa que veio do Inatel. Portanto, o nosso objectivo principal objectivo é solidificar o projecto e estruturar a equipa neste primeiro ano, sem pensar em grandes resultados. Não temos pretensões de ficar em primeiro ou segundo lugar, porque estamos a fazer a transição do Inatel para o Distrital, onde as coisas são muito diferentes. O que iremos tentar fazer é planificar a equipa e prepará-la o melhor possível para conseguir dentro de cada jogo discutir a vitória. Depois, no final logo se verá…

Share on Google Plus