TAÇA AF SETÚBAL»» C. Indústria 3 Amora 3

Cavani foi expulso por acumulação de amarelos…

AMORA JOGOU COM APENAS 10 JOGADORES A PARTIR DOS 38 MINUTOS

Que o Amora iria ter tarefa complicada nesta sua deslocação a Setúbal já era de esperar devido à qualidade do adversário [Comércio e Indústria] mas as dificuldades acabaram por ser ainda maiores face às contingências do próprio jogo que ficou marcado de forma negativa pela expulsão de Cavani, ainda no decorrer da primeira parte.

O jogo que fazia parte integrante da primeira jornada da Série B da Taça da AF Setúbal foi muito disputado e também muito quezilento obrigando o árbitro a mostrar 10 cartões amarelos e um vermelho.

Para além deste pormenor será também de salientar o facto de cinco dos seis golos terem sido obtidos em lances de bola parada e quatro deles de cabeça.

Quem entrou melhor no jogo foi o Amora que assumiu as despesas do jogo logo desde o início contudo a primeira equipa a marcar foi a do Comércio e Indústria que de um momento para o outro se colocou a ganhar por 2-0 com golos de Dany (8’) e Luís Costa (14’).

Apesar das adversidades, o Amora, que vinha controlando o jogo, continuou a explanar o seu futebol e, também em dois lances de bola parada, conseguiu chegar à igualdade com golos de Joca (22’) e Balela (26’).

Depois, aos 38 minutos aconteceu a expulsão de Cavani e a partir daí as coisas modificaram-se. O Amora foi obrigado a modificar o seu esquema de jogo e aos poucos foi perdendo o domínio do jogo que até então lhe tinha pertencido mas até ao intervalo tudo se manteve na mesma em relação ao marcador (2-2).  

Na segunda parte o Comércio entrou mais pressionante em termos ofensivos mas curiosamente quem se adiantou no marcador foi o Amora por intermédio de França (49’), na conversão de uma grande penalidade.

Os setubalenses foram obrigados a correr atrás do prejuízo e acabaram por chegar ao empate (3-3) com um golo marcado por Nuno Pereira, que selou o marcador final.

Em suma, na primeira parte atá à expulsão de Cavani o Amora foi sempre superior porque teve mais posse de bola e o jogo sempres controlado. Depois, na segunda parte, quem teve o sinal mais, como seria de esperar, foi o Comércio e Indústria.






A OPINIÃO DOS TREINADORES...

Paulo Correia, treinador do Amora

“Os jogadores foram heróis”

“O Amora não pode ter ficado contente com este resultado porque quer ganhar todos os jogos mas a verdade é que neste ficámos condicionados a partir da expulsão do Cavani. Tivemos que deixar de jogar da forma como tínhamos trabalhado, em posse, porque passou a ser mais um jogo de luta”.
“Os jogadores foram heróis porque conseguiram virar um resultado desfavorável de 2-0 para uma vantagem de 3-2, numa altura em que jogávamos apenas com 10 jogadores. Depois houve algum cansaço mas o Amora foi superior”.
“Não vou criticar a arbitragem porque nós também falhamos passes e golos mas depois do nosso jogador ter visto os dois amarelos houve um chorrilho de faltas semelhantes e ninguém viu amarelo. Isto não faz sentido”.



Carlos Chaby, treinador do Com. Indústria

“Na segunda parte fomos nós que controlámos o jogo”


“Foi um jogo bastante intense e repartido. Na primeira parte o domínio foi do Amora que controlou o jogo e teve mais posse de bola. Nós fomos mais felizes e chegámos ao 2-0 em dos lances de bola parada. Depois, o Amora num livre lateral e num canto restabelece a igualdade mas logo a seguir vê um jogador seu ser expulso e em consequência disso na segunda parte fomos nós que controlámos o jogo”.

“Jogámos contra o campeão em título que tem uma equipa madura e muitas soluções mas penso que na segunda parte poderíamos ter ganho o jogo. De qualquer maneira estou satisfeito com os meus jogadores. Ainda estamos a trabalhar o nosso modelo. Por isso, não posso pedir mais aos jogadores”. 



Share on Google Plus