1.ª DIVISÃO AF SETÚBAL»» Olímpico 2 Amora 2

Espectáculo manchado por arbitragem cheia de casos…

FOI UM JOGO ELECTRIZANTE SOBRETUDO NOS ÚLTIMOS VINTE MINUTOS

O jogo grande da jornada que colocava frente-a-frente os dois primeiros classificados ficou marcado por uma arbitragem que deixou muito a desejar.

Luís Reforço, árbitro da 2.ª categoria nacional, de reconhecida qualidade, teve de facto uma tarde para esquecer dado as inúmeras gafes que cometeu ao longo do encontro que prejudicaram as duas equipas mas em maior quantidade o Amora.

O primeiro lapso aconteceu logo aos quatro minutos quando Bruninho isolado foi carregado por trás à entrada da área por Raul, que viu apenas o cartão amarelo.

Depois, aos 67’ quando Pedro Pereira introduz a bola na baliza adversária e vê o golo ser anulado, depois de a bola ter sido desviada por um defesa do Olímpico. Bruninho estava adiantado mas não interferiu na jogada, por isso o golo não deveria ser anulado.

Algumas dúvidas ficaram também no lance que deu origem ao primeiro golo do Amora em que parece ter havido falta sobre o guarda-redes Carlos Miguel.

Para além destes factos há ainda a registar uma situação em que Bruninho foi assistido dentro do campo e o jogo prosseguiu sem que o jogador tivesse saído e por fim dois cartões amarelos mostrados ao mesmo jogador Guilherme (n.º 4 do Olímpico) aos 19 e aos 75 minutos, sem que tivesse dado ordem de expulsão.


Amora foi superior na 1.ª parte

Quanto ao jogo propriamente dito pode dizer-se que foi disputado de forma intensa pelas duas equipas com o ponto alto a centralizar-se nos últimos vinte minutos período em que aconteceram os quatro golos e as duas expulsões, uma para cada lado.

O Amora foi a equipa que melhor entrou no jogo começando por criar perigo logo aos quatro minutos no tal lance em que Bruninho é carregado pelas costas à entrada da área e depois por volta dos 15 minutos pelo mesmo jogador.

O Olímpico do Montijo não conseguia impor o seu futebol e o controlo do jogo na primeira parte pertenceu ao Amora, embora as oportunidades de golo tivessem sido escassas.

Apesar de alguma mobilidade ofensiva e de alguns bons pormenores de Thiago, o Olímpico apenas aos 41 minutos teve um verdadeiro remate à baliza do Amora que Madureira resolveu.


Na 2.ª parte quem entrou melhor foi o Olímpico

Na segunda parte os primeiros minutos foram dominados pelo Olímpico que criou perigo logo na sua primeira jogada ofensiva. Por volta dos 60 minutos o Amora conseguiu equilibrar e o jogo tornou-se mais dividido.

Aos 62 minutos uma perca de bola numa jogada ofensiva do Olímpico quase dava golo do Amora mas Bruninho que se isolou não conseguiu desfeitear Carlos Miguel, atirando ao lado.

A estas situações respondeu a equipa da casa que dava também muito trabalho á defensiva do Amora e o jogo estava completamente partido.

Aos 67 minutos, o árbitro anula (mal) um golo ao Amora, da forma como já descrevemos e pouco tempo depois surge o primeiro golo do desafio marcado por Marcelo numa jogada algo confusa em que dá a sensação de ter havido falta ofensiva.

Motivado pelo golo o Amora continuou a insistir no ataque e Cavani pouco depois de ter entrado rematou ao poste e na resposta o Olímpico chega ao empate com um golo marcado por Cami a concluir ao segundo poste um cruzamento efectuado do lado direito do seu ataque.


Minutos finais foram bastante emotivos

O jogo estava quentinho e numa disputa de bola junto á linha lateral Bandeira e Iuri envolvem-se e acabam por ser expulsos, ficando ambas as equipas reduzidas a 10 unidades.

O Amora parece ter acusado um pouco a situação e o Olímpico aproveitou para forçar um pouco mais o andamento que resultou na obtenção do seu segundo golo aos 85 minutos, por Renan.

O tempo corria a favor da equipa do Montijo que começava também a jogar com o cronómetro. O árbitro deu seis minutos de compensação e quando decorria o quarto o Amora conseguiu o empate por Lacão para desespero dos montijenses que até poderiam ter perdido a partida se Cavani não tivesse desperdiçado uma excelente oportunidade quando apareceu sozinho dentro da área só com Carlos Miguel pela frente.

Resumindo e concluindo foi um bom jogo de futebol que teve de tudo um pouco: emoção, casos e golos.

Francisco Cardoso, o novo presidente da Associação de Futebol de Setúbal, foi um dos muitos espectadores que marcaram presença no Campo da Liberdade que registou uma boa moldura humana.
  


A OPINIÃO DOS TREINADORES…

David Martins, treinador do Olímpico do Montijo:


José Carvalho, treinador do Amora:




Share on Google Plus