SEIXAL»» Mental Coach é a mais recente novidade

Paula Martins trabalha vertente psicológica…

SEIXAL CLUBE 1925 APOSTA NA FORMAÇÃO DOS SEUS TREINADORES

Com o intuito de passar os melhores ensinamentos aos seus atletas, o Seixal Clube 1925 aposta na formação dos seus treinadores. Nessa base, criou uma parceria com a Dra. Paula Martins, para trabalhar no reforço da vertente psicológica, através de palestras de Mental Coach.

Paula Martins é certificada com o curso de gestão de recursos humanos, tem duas pós graduações em coaching, trabalhou durante 25 anos em empresas nacionais e multinacionais como directora de recursos humanos e actualmente tem a sua empresa onde trabalha com adultos empresários e adolescentes na área do coaching.

No Seixal a sua primeira acção de formação decorreu no passado sábado, dia 14 de Outubro, no auditório da junta de freguesia e o Jornal de Desporto não perdeu a oportunidade para falar com Paula Martins, que é também coach de uma atleta de alta competição.


“Não é por acaso que os clubes de referência têm um profissional para cada área”

Como surgiu a ideia de estabelecer esta parceria?
Através de um treinador do Seixal que é meu amigo e foi meu colega de escola. Eu também acompanho, enquanto coach, uma atleta de alta competição, na conversa que tivemos falámos sobre isso e chegámos à conclusão que poderia ser interessante estabelecer uma parceria entre o Seixal Clube 1925 e a Paula Martins, enquanto coach, para acompanhar os atletas e os treinadores.

"A acelerada competitividade de qualquer modalidade desportiva, exige por parte dos técnicos e desportistas um conjunto de habilidades, atitudes e modelos de treino que terão de ir mais além do que a componente meramente técnico-táctica."

Considera importante que nos dias de hoje os clubes tenham um mental coach?
Eu diria que é fundamental. Qualquer clube precisa de ter alguém que acompanhe os atletas e os treinadores, em toda esta componente do coach porque a competição obriga que os atletas estejam bem e devidamente equilibrados, e o mental coach ajuda muito em toda esta situação. É um trabalho que leva algum tempo a fazer porque primeiro há que conhecer os atletas para depois tentar que eles consigam efectivamente encontrar o seu equilíbrio emocional. Não é por acaso que os clubes de referência têm um profissional para cada área e faz todo o sentido que assim seja porque enquanto seres humanos não somos pessoas perfeitas e extremamente completas.

Esta é uma acção só para treinadores?
Sim, esta é específica para treinadores mas depois iremos fazer outras que serão dirigidas aos atletas. Há situações que se tocam mas de uma forma geral terão que ser direccionadas de forma diferente, como se compreende.


“Este trabalho tem que ser feito com alguma duração e persistência porque não somos robots”

E os resultados quando começam a aparecer?
Este tipo de acompanhamento, do ponto de vista psicológico, demora o seu tempo. Nós, como seres humanos, somos adversos à mudança, temos alguma dificuldade em transformar as coisas nas nossas vidas, no nosso comportamento e na nossa maneira de ser, Por isso, este trabalho de coaching tem que ser feito com alguma duração e também com alguma persistência porque estamos a falar com seres humanos e não com robots. As pessoas demoram a fazer mudanças de comportamento, esta é a realidade. Vamos começar agora a trabalhar mas espero a curto prazo poder ver já alguns resultados.

Nesta sua primeira experiência aqui no Seixal há algo mais que gostasse de salientar?
Gostaria de salientar a sensibilidade que o clube teve para este acompanhamento porque sabemos que de uma forma geral isto não acontece nos clubes da região. Como já disse é fundamental ter alguém que acompanhe os treinadores e os atletas neste vertente do mental coach.


Hugo Rodrigues, vice-presidente:

“O nosso projecto desportivo é isto mesmo, formar jogadores, dirigentes e treinadores”

Hugo Rodrigues, vice-presidente do clube, a anteceder a primeira acção de formação salientou a importância da iniciativa que é inovadora.

“O nosso projecto desportivo é isto mesmo, formar jogadores, dirigentes e treinadores. Quanto mais preparados estiverem mais aptos ficam para preparar os atletas. O Seixal quer fazer um trabalho sério e digno, não queremos ser os melhores mas procuramos ser diferentes, pela qualidade e pela simpatia”.
Hugo Rodrigues aproveitou também a oportunidade para enaltecer o trabalho desenvolvido pelos treinadores que no seu entender “estão a fazer magia”.

24 equipas a treinar num só campo

“Quando pensámos em ter seniores e alargar o número de equipas no futebol de formação foi-nos prometido um segundo campo que ainda não está pronto mas nós não desistimos e, neste momento, temos 24 equipas a treinar num só campo, após as 18h30m. Não me perguntem com isto é possível, apenas direi que é uma realidade.


Share on Google Plus