TAÇA AF SETÚBAL»» U. SANTIAGO 4 ADQC 2

U. Santiago marcou dois golos nos primeiros minutos…

ADQC TEVE A HIPÓTESE DE FAZER O 3-3 MAS LOGO DE SEGUIDA SOFRE O 4-2 E TUDO FICOU DECIDIDO

O U. Santiago obteve o passaporte para a 2.ª eliminatória da Taça AF Setúbal “Joaquim Sousa Marques” ao derrotar a Quinta do Conde por 4-2, em jogo realizado no Campo Miróbriga.

A equipa de Santiago do Cacém entrou melhor no jogo e aos 14 minutos vencia já por 2-0, com golos marcados por Mário Matias e Tiago Lopes, o primeiro dos quais aos sete minutos.

A ADQC recompôs-se e conseguiu reduzir para 2-1, pouco tempo depois (22’), por intermédio de Paulino. O jogo foi-se desenrolando com ambas as equipas à procura de mais golos mas até ao intervalo tudo se manteve na mesma; ou seja, com o marcador favorável à equipa da casa.

Na segunda metade do encontro o U. Santiago elevou o marcador para 3-1 com novo golo de Tiago Lopes (66’) mas a formação da Quinta do Conde não baixou os braços e aos 85 minutos relançou a partida ao colocar o marcador em 3-2.

Nos últimos minutos a pressão era elevada por parte dos quintacondenses e o empate esteve na eminência de acontecer. Não aconteceu, e num dos últimos lances do encontro a equipa alentejana acabou por dar a estocada final com o quarto golo marcado já em período de compensação (90+2’) por Alfredo Rebanal.   

Com este resultado, o U. Santiago garantiu a passagem à fase seguinte da competição e a ADQC terminou aqui a sua campanha.



A OPINIÃO DOS TREINADORES…

RICARDO ANDRÉ, treinador da ADQC:

“Saímos frustrados com o resultado mas orgulhosos pelo trabalho desenvolvido”


“Resultado enganador. Fomos sempre a equipa com mais bola, com controlo absoluto do jogo, mas quem comete erros defensivos como nós cometemos depois fica difícil. 

Não tivemos sorte na prestação de um dos árbitros auxiliares que, por exemplo, permitiu um golo ao adversário que estava largos metros em fora de jogo. E, a verdade é que mesmo antes do 4-2 final, marcado já nos descontos, falhámos o 3-3 em cima da linha de golo. 

Pelo que jogámos e pelo que dominámos saímos frustrados com o resultado, mas confiantes e orgulhosos do trabalho feito até aqui. Deixo aqui o alerta à AFS, somos todos amadores (ou pelo menos a maioria), temos família, e trabalhamos aos sábados. Nesta altura as competições têm de parar. 

Fomos a Santiago com metade do plantel indisponível, tendo inclusive jogado 90 minutos com um menino de 15 anos, que muito nos enche de satisfação e orgulho pela qualidade demonstrada. É importante que se reveja esta situação. 

Por último quero desejar boas festas a todos os clubes, jogadores, directores, adeptos e demais intervenientes no meio onde nos inserimos”.

Share on Google Plus