ALFARIM»» Alfredo Almeida no rescaldo do jogo com o Banheirense

Treinador diz que a sua equipa esteve 97 minutos por cima, no jogo…

“OS MEUS JOGADORES FORAM AUTÊNTICOS GUERREIROS PORQUE MESMO A JOGAR COM 9 ENCOSTARAM O ADVERSÁRIO ÀS CORDAS”


“Para quem não viu o jogo o resultado pode parecer uma surpresa mas para quem assistiu o resultado é muito mais que isso porque o Alfarim esteve 97 minutos por cima, no jogo. Mas, passemos aos factos…

O jogo teve início com o Alfarim a procurar jogar de traz para a frente, e a consegui-lo muitas vezes. O Banheirense limitava-se a tentar anular a nossa primeira fase e a partir daí ficava completamente vulnerável, conseguíamos entrar pelos corredores laterais com vantagem. Na primeira parte o meu guarda-redes não fez uma defesa à excepção de um balão para a frente que ainda tocou na trave, mas completamente controlado pelo nosso guarda-redes.

O Banheirense, com bola, limitava-se a bater e procurar que na defensiva nós falhássemos, facto que não aconteceu. Ainda na primeira parte conseguimos finalizar três jogadas sem êxito e, em esquemas tácticos, obrigámos o guarda-redes adversário por duas vezes a intervir.

No início da segunda parte entrámos muito fortes e, logo no início, Mantorras quase marca com desvio de cabeça ao primeiro poste, pouco tempo depois isola-se e o guarda-redes faz uma excelente defesa, após remate com o pé esquerdo. Depois vem o momento do jogo.




O momento do jogo

Expulsão do nosso guarda-redes e, na cobrança do livre, golo do adversário. Cinco minutos depois mais uma expulsão neste caso de Sousa que deixa a equipa reduzida a nove jogadores, com 30 minutos, mais compensação, para jogar.

O que aconteceu a seguir foi uma avalanche atacante do Alfarim que, mesmo com nove jogadores em campo, empurrou o Banheirense, praticamente todo, para a entrada da sua área.

O Banheirense tem uma ocasião flagrante para fazer o 2-0 quando nós, aos 85 minutos, a sair da nossa área demos uma bola para os pés do adversário, de resto só deu Alfarim, tentámos de livre, de canto, pela esquerda, pela direita e com remates de longe.

O Banheirense só defendeu, nós só atacámos, tivemos ocasiões com um penálti por assinalar a nosso favor, com defesas imprevisíveis do guarda-redes adversário, mas é por isto que o futebol é apaixonante porque é imprevisível e não há justiça.

Nada tenho a apontar aos meus atletas que foram autênticos guerreiros porque mesmo a jogarem com nove encostaram o adversário [que jogava com mais dois] às cordas.


Penso que podíamos lá estar mais duas horas a jogar que não era dia para a bola entrar, o futebol é isto.

Quanto a equipa de arbitragem pouco a dizer, disseram que seguiram as leis nas expulsões, a minha dúvida é se sabem as leis mas tinha observador ele por certo estava atento. Este árbitro e os auxiliares estiveram ao seu nível de sempre, foi mais do mesmo, destes árbitros já nem comento.


Luís Carlos vai ser operado


Aos meus jogadores parabéns pela forma como contrariaram as adversidades, o foco já está no próximo jogo. Por fim, um abraço de força ao Luís Carlos, um dos nossos capitães, que vai ficar de fora muitos meses porque tem de ser operado. Para ele em especial, e para todos os que não o conhecem, apenas dizer duas coisas: primeiro que era muito fácil ser treinador se todos os atletas tivessem o carácter e a postura do Luís, é um exemplo e, para mim, um orgulho em ser seu treinador; depois transmitir que na realidade tenho a certeza absoluta que o Luís vai ultrapassar esta fase porque ele é na verdade um autêntico guerreiro”.

Share on Google Plus