FAIR-PLAY»» Criança deu abraço a árbitro por mau comportamento do pai

"Esta situação deixou-me de boca aberta", conta o árbitro…

ACONTECEU NO JOGO DE BENJAMINS ENTRE O MOURA E O DESPERTAR

O episódio assinalou e destacou o fair-play nos dias conturbados em torno da arbitragem. Tudo aconteceu no jogo de benjamins entre o Moura e o Despertar, da AF Beja, no passado dia 20 de Janeiro. O árbitro Edgar Ramos, de 34 anos, foi obrigado a interromper a partida ao minuto 15 uma vez que o pai de um jogador do Despertar, no caso o jovem Martim Venâncio, estava a ameaçar e a causar distúrbios nas bancadas. Sem policiamento, o juiz viu-se obrigado a parar a partida. A surpresa aconteceu momentos depois.


«Quando nada se previa o jogador n.º 8 dirigiu-se a mim e disse — árbitro posso dar-lhe um abraço — e eu disse logo que sim e de seguida diz-me — árbitro, quero pedir-lhe desculpa pelo mau comportamento do meu pai», conta o árbitro Edgar Ramos a ‘A BOLA’, que, na sequência deste gesto, atribuiu um cartão branco, que premeia o ‘fair-play’ ao jogador do Despertar:

«O cartão branco é algo que faz bem ao futebol e que motiva muitas crianças. Esta situação deixou-me de boca aberta, pois confesso que foi algo que não esperava.»

Após o abraço e o pedido de desculpas, ouviram-se palmas. «Foi algo que não esquecerei. Nos dias que correm foi uma situação rara que devia causar inspiração para todos», disse o árbitro. 

In jornal ‘A Bola’



Share on Google Plus