SEIXAL»» Tiago Correia fala das ocorrências na Costa de Caparica

Em causa está um lance muito contestado pelos seixalenses…

“O ÁRBITRO ASSUMIU O ERRO NO FINAL DO ENCONTRO MAS NÓS É QUE FOMOS PREJUDICADOS”

“Ainda tínhamos alguma esperança no apuramento para a fase final. Sabíamos que ia ser difícil porque só a vitória nos dava essa possibilidade. Foi isso que tentámos fazer. Entrámos fortes no jogo, atirámos uma bola ao poste num cabeceamento do Elvis e depois chegámos ao golo. Os Pescadores, num canto directo, empataram e fomos assim para o intervalo.

No início da segunda parte o Costa de Caparica fez o 2-1 e nós tentámos responder mas depois há um lance que acaba por definir o jogo, por culpa do árbitro que cometeu um erro grave, como ele próprio reconheceu no final.

O central do Costa de Caparica tinha a bola em seu poder que lhe foi tirada pelo Luís Fernandes e nós ficámos numa situação de dois para zero à entrada da área. O Luís Fernandes foi agarrado pelos calções, resiste à carga, continua isolado, toca para o Lucas e este faz golo que foi anulado porque o árbitro voltou atrás para marcar a falta e mostrar o cartão amarelo ao jogador dos Pescadores.


Em minha opinião errou duas vezes porque não deu a lei da vantagem e não expulsou o adversário, porque se tratava de uma situação claríssima de golo e não havia mais nenhum defesa próximo.

Foi um erro gravíssimo. Nós falámos com o árbitro no final do encontro e ele assumiu o erro, mas já não havia nada a fazer. Uma coisa é certa, nós é que fomos prejudicados porque fazíamos o 2-2 e ficávamos com mais um jogador em campo. Passado um ou dois minutos o Costa de Caparica faz o 3-1e, para nós, o jogo acabou ali. O resultado não corresponde em nada ao que se passou em campo. Não sei o que se passa quando defrontamos os Pescadores mas uma coisa é certa já na primeira volta fomos prejudicados com duas expulsões à meia hora de jogo”.


“Ficámos com um sentimento de tristeza”

Sobre a carreira da sua equipa no campeonato, Tiago Correia, mostra-se satisfeito.

“Começámos a trabalhar praticamente do zero mas temos vindo a subir de rendimento porque temos jogadores com um carácter incrível, sempre com grande disponibilidade, que nunca viram a cara à luta e que gostam bastante de aprender. Nós não gostamos de nos lamentar mas quando chegamos a um jogo em que se pode decidir a passagem a uma fase final e acontece o que aconteceu ficamos com um sentimento de tristeza e com um grande amargo de boca”.   

Share on Google Plus