AMORA»» Rui Lourenço treinador da equipa de futebol feminino

Se o jogo fosse há um mês atrás a história seria outra…

“UMA EQUIPA QUE TRABALHOU UMA ÉPOCA INTEIRA, COM UM PENSAMENTO E UM SONHO, É DERRUBADA POR INTERESSES SUPERIORES”

Rui Lourenço, que viu o jogo junto ao público, do lado contrário ao banco de suplentes, por imposição do delegado da FPF, em virtude de se encontrar a cumprir castigo, no final estava desolado não só pelo resultado negativo mas essencialmente por tudo o que se passou nos bastidores à volta do encontro e não poupou críticas tanto ao seu adversário como à própria Federação Portuguesa de Futebol. 

“Falando deste jogo direi que perdemos porque durante os 90 minutos o adversário marcou dois golos e fez algo que nós não conseguimos. Mas, para além disso, devo dizer também que o que se passou ao longo das duas últimas semanas é uma vergonha para a FPF e para a própria AF Setúbal porque ficámos impossibilitados de fazer este jogo há um mês atrás pelo facto de o nosso adversário ter dito que este mesmo campo onde hoje jogámos não tinha as dimensões mínimas, alegando o artº. 29 do regulamento, quanto o artº. 79, o anula por inteiro. A equipa de arbitragem que curiosamente foi a mesma que apitou hoje foi conivente com a situação”.



“Isto foi tudo calculado, premeditado e pensado”

"Nós acabámos por ser a única equipa prejudicada porque tínhamos jogadoras que hoje não puderam jogar por estarem a ser alvo de um processo sumário enquanto o adversário que na altura tinha jogadoras lesionadas as pode utilizar hoje. Isto foi tudo calculado, premeditado e pensado.

Uma equipa que trabalhou uma época inteira, com um pensamento e um sonho, é derrubada por interesses superiores. Não quero dizer que há aqui mão do diabo mas se calhar há um ou dois dedos dele.

É pena que isto aconteça com equipas do mesmo distrito e com pessoas que só chegaram ao futebol há um ou dois anos e querem ultrapassar quem cá anda à muito tempo. O que foi feito este ano ao Amora não se faz".


“Só um milagre nos pode levar à fase final”

"Neste momento só um milagre é que nos pode levar à fase final mas estamos de consciência tranquila porque trabalhámos bem, fomos a melhor equipa do campeonato e dignificámos o emblema do Amora. Se o jogo fosse há um mês atrás tenho a certeza que a história seria outra". 

E, a finalizar o seu discurso Rui Lourenço considerou que as suas jogadoras acusaram a pressão da necessidade que tinham em ganhar o jogo.

"Sim, não tenho dúvidas que as jogadoras acusaram a pressão, o mediatismo que este jogo teve, a série de condições impostas pela FPF que até mandou um delegado para assistir ao jogo, a raiva e o sentimento de não compreenderem o porquê de o adversário se ter negado a jogar, foram factores que contribuíram para isso. 

Quando uma equipa está preparada para jogar o jogo na data marcada pelo calendário e a equipa contrária de forma estratégica, por ter jogadoras lesionadas, se nega a jogar por um artigo que é anulado por outro, somente para ganhar tempo. E quando tudo fazia crer que a razão estava do lado de quem sempre esteve do lado da legalidade, recebemos a notícia que temos que fazer o jogo a meio da semana, não podendo contar com o plantel todo é um sentimento de frustração. 


Não ponho o resultado de hoje em questão mas sim o processo em que o futebol feminino esta a caminhar, no caminho errado, Assim, vão afastar as pessoas que ao longo dos anos têm andado aqui a lutar por ele, ao contrário de certos abutres".   

Share on Google Plus