AMORA»» Élio Santos treinador da equipa campeã


Na hora da consagração recorda tempos passados…

“QUANDO ERA MIÚDO VINHA AQUI VER OS JOGOS DO AMORA NA 1.ª DIVISÃO E A MEDIDEIRA ESTAVA SEMPRE ASSIM”

Élio Santos, o comandante das tropas, foi atirado ao ar pelos jogadores e alvo de muitas brincadeiras por parte de outros elementos do grupo de trabalho e presenteado com um grande abraço por parte do presidente Carlos Henriques como forma de agradecimento pelo êxito alcançado.

À nossa reportagem disse que estava a festejar depois de um jogo difícil. “Não consigo indicar qual foi o jogo mais fácil. Foram todos difíceis porque se calhar éramos sempre um alvo a abater. Neste caso, com o Alcochetense a primeira parte foi difícil porque jogou muito fechado mas ainda assim a jogar um futebol interessante porque é uma equipa muito organizada. Na segunda parte entrámos muito bem, determinados, e com a consciência que tínhamos de marcar porque era o jogo que poderia decidir o campeonato. Acho que foi uma vitória justa e um título de campeão que nos assenta muito bem, por tudo o que fizemos”.

E, como forma de agradecimento começou por dar os “parabéns a todos os jogadores porque as vitórias são deles. Há quatro anos que andavam aqui numa situação de vai, não vai, mas este ano foi diferente porque o Amora é campeão e subiu de divisão. Um agradecimento especial a toda esta gente que encheu a Medideira”. E, recuando um pouco no tempo recordou que “quando era miúdo vinha aqui ver os jogos do Amora na 1.ª Divisão e a Medideira estava sempre assim”.


“Carlos Henriques é o grande ídolo deste clube”

Nesta hora de alegria Élio Santos deixou também “uma palavra de apreço à minha família que esteve aqui em massa para me ajudar e apoiar, uma palavra forte de apoio a todos os colaboradores, a toda a minha equipa técnica e ao presidente Carlos Henriques que é o grande ídolo deste clube. Mais do que ninguém ele merece este título”.

E, a finalizar acrescentou: “Esta não é a primeira vez que sou campeão, já tinha sido quer na formação, quer no futebol sénior; ou seja, para mim não é novidade mas tem sempre um sabor muito especial”.

Balela: “Já andávamos à procura disto há muitos anos”

Balela, o capitão de equipa teve o privilégio de receber a taça das mãos do presidente da AF Setúbal. Visivelmente satisfeito e com a filha ao colo adiantou à nossa reportagem que “este título foi mais que merecido, já andávamos à procura disto há muitos anos. Quero dar os parabéns ao presidente e restante direcção, a estes adeptos fantásticos, à minha família e principalmente aos meus colegas".

"Estou muito contente porque vou entrar na fase terminal da minha carreira e este era um título que procurava. É evidente que não me vou retirar porque me sinto bem e entendo que ainda tenho muito para dar ao futebol mas por outro lado também tenho que olhar para o outro lado da vida e para a família”.  


Share on Google Plus