BARREIRENSE»» Daniel Lourenço foi guarda-redes, de recurso…


Na sequência da expulsão de Filipe Barros que fazia a sua estreia... 

JOGOU MAIS DE MEIA HORA COM UM JOGADOR DE CAMPO NA BALIZA


A 16.ª jornada do Campeonato Distrital da 1.ª Divisão ficou marcada por um facto pouco comum no futebol. Estamos a falar do Barreirense – Banheirense que terminou com a vitória da equipa da casa (5-2) num jogo em que foi obrigada a jogar com um jogador de campo [Daniel Lourenço] na baliza, durante mais de meia hora, em virtude da expulsão do seu guarda-redes, numa altura em que já tinha esgotado as substituições.

Insatisfeito com o resultado que se registava, Rui Fonseca resolveu fazer as três substituições de uma só vez (52 minutos). Pouco depois, o Banheirense beneficia de um penalti que o guarda-redes, Barros, em dia de estreia, defende. Por ter sido detectada alguma irregularidade o árbitro, por indicação do assistente manda repetir. Entretanto, o guarda-redes adversário vai ter com o outro assistente dizendo que tinha que ser mostrado cartão amarelo, este transmitiu essa indicação ao árbitro que admoestou o jogador que viu assim o segundo amarelo e o consequente vermelho. Como alguém tinha que ir para a baliza a escolha recaiu em Daniel Lourenço que não conseguiu evitar o golo.

O Banheirense ficou a ganhar por 2-1 e jogava em superioridade numérica mas isso não constituiu obstáculo para o Barreirense que acabou por dar a volta à situação fruto do grande empenho e aplicação dos jogadores que, feridos no seu orgulho, deram tudo o que tinham e marcaram mais quatro golos sem resposta.


Daniel Lourenço, calçou as luvas  

Em declarações ao nosso jornal, Daniel Lourenço disse que “depois da expulsão (que considero injusta) do nosso guarda-redes, Filipe Barros, ofereci-me para o substituir visto estarem esgotadas as nossas substituições. Como temos um grande grupo de homens outros também se ofereceram (por exemplo o Bailão) mas acabámos por decidir, em concordância com a equipa técnica, de que seria eu a calçar as luvas”.

Foi uma experiência diferente mas extremamente gratificante adiantou o jogador porque “ali sente-se a responsabilidade e, no meu caso, o nervosismo constante de ser o último jogador que pode impedir que a equipa adversária marque. Os meus colegas foram enormes no apoio e na motivação que me deram. Curiosamente já tinha passado por uma experiência semelhante nas camadas jovens do Barreirense”, realçou.


Focados em fazer uma grande segunda volta

Daniel Lourenço considera que o que se passou não é normal e fez questão de salientar apenas uma grande equipa consegue fazer o que fez. Dar a volta ao resultado de forma categórica, a jogar com menos um jogador, com um jogador adaptado a guarda-redes e a perder por 1-2.

“Fomos atrás daquilo que queríamos que era a vitória e fizemo-lo da única forma possível. Correu-se, trabalhou-se e lutou-se um pouco mais, exibindo assim todo o nosso carácter. Os resultados não têm sido os esperados mas não são estes que mostram o que realmente somos, enquanto pessoas, colegas e jogadores. É sim a resposta às adversidades que nos têm aparecido”.

Em relação ao resto do campeonato, Daniel Lourenço diz queEstamos completamente focados em fazer uma grande segunda volta, melhorar face aos resultados da primeira metade do campeonato e desfrutar do nosso futebol. Começámos da melhor maneira vingando um empate obtido no primeiro jogo do campeonato. Como nota final, uma palavra de apoio ao nosso colega Filipe Barros que teve uma estreia no campeonato que certamente não desejaria mas estará feliz com a vitória da equipa”.

Share on Google Plus