SEIXAL»» Hotel Mundet (veja as fotos daquilo que vai ser)

 
O investimento rondará os oito milhões de euros e a obra deverá estar pronta daqui a dois anos…

AQUELA QUE FOI A IMAIOR FÁBRICA DE CORTIÇA DO PAÍS VAI DAR LUGAR A UM HOTEL DE LUXO


Antevisão do que será a fachada principal do futuro Hotel Mundet,
 a inaugurar dentro de dois anos
Depois de algumas décadas de indefinição quanto ao destino a dar aos imóveis ribeirinhos da antiga fábrica de cortiça da Mundet, que chegou a ser a maior do país, a autarquia do Seixal acaba de adjudicar a construção de um hotel de luxo a uma empresa do grupo imobiliário Libertas. O investimento rondará os oito milhões de euros.


Aquela empresa já tem, aliás, mais projectos imobiliários no concelho, com especial destaque para a habitação. A Libertas está a construir vários edifícios na Quinta da Trindade, numa área que se situa mesmo ao lado do centro de estágios do Benfica e a poucos metros do terminal fluvial que liga o Seixal a Lisboa.

No hall de entrada irão predominar os motivos ligados à cortiça
A história da maior fábrica de transformação de cortiça do país começa lá atrás, no início do século XX. Em 1905, a firma L. Mundet & Sons instalou-se na Quinta dos Franceses, na então vila e sede do concelho do Seixal.

Já em meados do século passado chegou a empregar 2500 pessoas (sobretudo mulheres) mas, em 1988, não resistiu ao avanço da concorrência dos produtos de plástico e fechou as portas.



Nos quartos a cortiça também marca presença,
excelente material para o isolamento térmico e acústico
As preocupações sociais dos seus gestores estiveram sempre presentes e, em meados da década de 30 foram instalados os refeitórios dos trabalhadores onde foi também servida a ‘sopa dos pobres’ à população mais carenciada do Seixal.

Dado o facto de a maioria do operariado ser feminino, em 1939 foi instalada na fábrica uma creche e um jardim de infância.


Destaque ainda para a criação da Caixa de Previdência do Pessoal da Mundet e para a construção de um bairro para os seus operários.

A vista directa para o Tejo é uma das
caracteríticas mais marcantes do futuro hotel
Depois da compra da antiga fábrica pela Câmara Municipal do Seixal foram musealizados dois dos vários edifícios da fábrica.

Em 1998, abria ao público o Edifício das Caldeiras Babcock & Wilcox e, no ano 2000, o Edifício das Caldeiras de Cozer. Nos dois é possível visitar exposições relativas ao património industrial do concelho.

Mais de 30 anos depois de ter encerrado as suas portas, a fábrica da Mundet vai agora dar lugar a um luxuoso hotel de quatro ou cinco estrelas, onde o elemento ‘cortiça’ continuará presente.

In Expresso


Share on Google Plus