1.ª DIVISÃO DISTRITAL»» AMORA 2 C. INDÚSTRIA 1

Num livre directo aos 75 minutos

DAVID MARTINS DECIDIU DE BOLA PARADA

Em jogo que se encontrava em atraso da 4.ª jornada do campeonato distrital da 1.ª Divisão disputado no estádio da Medideira, o Amora venceu o C. Indústria por 2-1, mas a vitória não foi nada fácil de conseguir porque a equipa setubalense se bateu muito bem durante praticamente toda a partida, lutando até ao último minuto por um resultado diferente.

A equipa amorense entrou bem na partida, começou por tomar conta do jogo, instalou-se no meio campo contrário e dominou a primeira meia hora, marcando logo aos 16 minutos, por Joca, que correspondeu em pleno a um cruzamento feito por David Rodrigues do lado direito do seu ataque. No último quarto de hora o C. Indústria conseguiu equilibrar e por duas vezes tentou a sua chance em dois remates de longe aos quais correspondeu o guarda-redes do Amora com duas boas intervenções. E, aos 41 minutos, aconteceu um lance duvidoso em que foi assinalado um fora-de-jogo a um jogador do C. Indústria que originou muitos protestos por parte dos setubalenses que motivou a amostragem de um cartão amarelo a Rui Faria e outro a Nelo, guarda-redes suplente que se encontrava no banco.

Na segunda parte, o jogo decorreu de forma mais equilibrada com ambas as equipas à procura do golo e aos 57 minutos a equipa sadina esteve à beira de marcar num remate de Luís Costa que bateu em Freire e quase traía o seu guarda- redes. Não marcou desta vez mas acabou por chegar à igualdade pouco depois (64’) por Sousa, num remate de longe. O Amora reagiu ao golo sofrido e a quinze minutos do fim conseguiu o golo da vitória por David Martins, na cobrança de um livre directo a punir falta cometida por Fábio.

Ainda antes de terminar, num pontapé de canto cobrado do lado direito, Hugo Graça, com a ajuda do vento que soprava forte, quase marcava de forma directa mas a bola acabou por bater na barra saindo depois para fora pela linha final.

No final do jogo, os setubalenses queixaram-se da actuação do árbitro que, em sua opinião, não terá marcado um penalti a seu favor e não puniu com cartão vermelho Jandir, defesa esquerdo do Amora.


A OPINIÃO DOS TREINADORES


PEDRO AMORA, treinador do Amora:

“Postura do adversário valorizou
ainda mais a nossa vitória”

Foi uma vitória complicada porque defrontámos uma equipa que sabia perfeitamente o que vinha fazer e é forte muito forte em termos físicos. O estado do relvado ajudou-os de certa forma, derivado à força física dos seus jogadores e à altura que tinham. Vinham jogar nas bolas paradas e nos contra-ataques e isso valorizou bastante a nossa vitória que é inteiramente justa porque fomos a equipa que mais fez por isso. De qualquer forma, é bom que se diga que defrontámos uma boa equipa que vale muito mais do que a posição que ocupa na tabela classificativa. Entrámos bem no jogo e dominámos completamente até aos trinta minutos mas depois deixámo-nos adormecer. Na segunda parte, entrámos com outra postura mas eles também surgiram com uma postura mais ofensiva e tornou-se complicado. Valeu o golo do David Martins”.



CARLOS RIBEIRO, treinador do C. Indústria:

“Não conseguimos outro resultado por falta de coragem do árbitro”

Não conseguimos outro resultado por falta de coragem do árbitro que não marcou um penalti a nosso favor na primeira parte e não expulsou o defesa-esquerdo do Amora fez uma falta grosseira quando o jogo estava interrompido. Não sei em que lei se baseou para ter mostrado apenas o cartão amarelo. Nós poderíamos ter conseguido outro resultado num jogo bem disputado por duas boas equipas, embora a nossa esteja numa classificação que não espelha a sua qualidade. Fazia um apelo aos senhores da AF Setúbal que fazem as nomeações para que tenham cuidado e nomeiem os melhores árbitros porque há bons árbitros que ficam em casa ao domingo ou que vão apitar iniciados e juvenis e nós levamos com os embrulhos. Eu devo ser o treinador mais antigo nesta divisão e em minha opinião nos últimos 12 anos o campeonato tem sido decidido sempre pelas equipas de arbitragem. Os jogos grandes, entre as equipas que decidem os campeonatos, têm sido decididos sempre pelos árbitros, sempre. Eu tenho essa experiência. Não sei o que as pessoas que fazem as nomeações dos árbitros andam a fazer. Parece que andam distraídos. É uma vergonha o que acontece todas as semanas e isto que se viu aqui hoje. O Amora não tem culpa do que aconteceu mas nós sentimo-nos muito prejudicados. Não se admite que este senhor venha para aqui cheio de estilo e que não saiba as leis do jogo. Tem estilo e presença tem mas os árbitros não se fazem com isso, devem ser conhecedores das leis de jogo e aplicá-las durante o jogo. De resto, a minha equipa fez o trabalho que costuma fazer em todos os jogos e não merecíamos este desfecho”.



FICHA DO JOGO

Jogo no Estádio da Medideira, em Amora
ÁRBITRO: Diogo Trancadas (Núcleo do Pinhal Novo), auxiliado por Fernando Nunes e Nuno Baltasar

AMORA: Fábio Paulo; Lacão (Filipe Pires, 77’), Freire, David Martins, Jandir; Maside, Pedro Pereira (Lorete, 60’), Hugo Graça; Joca (Alex, 78’), David Rodrigues e Carlitos.
Suplentes não utilizados: Pombo, Tiago, Laudio e Rodrigo.
TREINADOR: Pedro Amora

C. INDÚSTRIA: Rafa; Stefano (Ivo, 85’), Leandro, Nuno, Madruga; Fábio, Ruben Faria, Daniel Baião (Gonçalo, 78’); Luís Costa, Sousa e Bruno Gonçalves.
Suplentes não utilizados: Nelo, Filipe, Miguel Baião, Tavira e Sidney.
TREINADOR: Carlos Ribeiro

Ao intervalo: 1-0
Marcadores: 1-0, Joca (16’); 1-1, Sousa (64’); 2-1, David Martins (75’).
Disciplina: cartão amarelo para David Martins (30’), Rui Faria (41’), Nelo (41’), Hugo Graça (44’), Jandir (67’), Fábio (74’), Luís Costa (77’), Fábio Paulo (90+1’)

Share on Google Plus