TAÇA DE PORTUGAL»» Beira Mar de Almada só caiu no último quarto de hora

Leandro atirou à barra na primeira parte…

“DESGASTE FÍSICO DOS ALMADENSES ACABOU POR SER FATAL”

O Beira Mar de Almada voltou à Taça de Portugal 35 anos depois e tal como da primeira vez também agora não conseguiu passar da primeira eliminatória.

De qualquer forma, fica o registo para a posteridade e a honra de disputar a segunda prova mais importante do calendário futebolístico nacional.

O sorteio ditou uma deslocação a casa de um adversário que milita num escalão superior e que está numa fase de preparação muito mais adiantada e já em competição ao contrário dos almadenses que ainda não tinham feito nenhum jogo oficial.

O resultado foi desfavorável mas a exibição foi bastante positiva e inteiramente do agrado do técnico Augusto Campos que orientou a equipa num dia extremamente quente, em pleno Alentejo, facto que causou alguns problemas em alguns jogadores que tiveram mesmo que ser substituídos devido ao desgaste físico.

Na primeira parte pode dizer-se que se tratou de um jogo que decorreu de forma algo repartida e com algumas oportunidades de parte a parte sendo a mais flagrante criada pelo Beira Mar de Almada e neste caso concreto por Leandro que atirou à barra na cobrança de um livre.

Na segunda parte as coisas foram um pouco diferentes devido ao desgaste físico dos almadenses. O Moura passou então a exercer um domínio mais acentuado mas o Beira Mar que se mostrou sempre muito organizado em termos defensivos foi aguentando até que aos 75 minutos altura em que a equipa alentejana marcou o seo primeiro golo na cobrança de um livre directo. O Beira Mar ainda tentou reagir exercendo alguma pressão nos minutos finais na tentativa de poder chegar ao empate e acabou por sofrer o 2-0, num ataque rápido do adversário, já em período de compensação.

Resumindo e concluindo foi uma vitória justa e merecida do Moura num jogo em que os almadenses estiveram muito bem e só cederam perto do fim.

Nesta partida o Beira Mar alinhou da seguinte forma: Buda; Bruce, Gonçalo, Conceição, Fred; Gustavo (João Jorge, 80'), Jere, Luciano (Gonçalo Santos, 60'); Leandro, Dino e Rafa (Fábio (70').




A OPINIÃO DO TREINADOR…

Augusto Campos, treinador do Beira Mar de Almada:

“Fiquei muito satisfeito e ao mesmo tempo surpreendido pelos jogadores terem dado a resposta que deram”

“Foi um jogo repartido, com algum domínio do Moura mas não muito acentuado. Eles tiveram mais bola e mais oportunidades, mas nós também tivemos as nossas como foi o caso de uma aos 30 minutos em que Leandro num livre atirou à barra”.

“Na segunda parte caímos um pouco fisicamente e foi aí que esteve a grande diferença entre as duas equipas. Eles já estão com três jogos oficiais e nós fizemos o primeiro, depois de três semanas de trabalho enquanto eles já têm mês e meio de preparação. Tivemos que fazer duas alterações por cãibras de jogadores que já não aguentavam porque estava muito calor. Na segunda parte eles tiveram um maior domínio e marcaram o primeiro golo por volta dos 75 minutos num livre directo. Nós ainda tentámos chegar ao empate, forçámos um pouco mais nos últimos minutos, tivemos uma ou duas oportunidades mas não fizemos e eles num ataque rápido chegaram ao 2-0. De qualquer forma, creio que nos  portámos bem porque fomos sempre uma equipa organizada e não abdicámos de atacar. Foi merecida a vitória do Moura mas se nós tivéssemos feito pelo menos um golo também seria merecido”.

“Fiquei muito satisfeito e ao mesmo tempo surpreendido pelos jogadores terem dado a resposta que deram num dia de muito calor, depois de uma longa viagem e de uma actuação em relvado natural”.

“Foi interessante por ser um jogo diferente a contar para a Taça de Portugal, só por isso valeu a experiência. A partir de agora é que começa a nossa batalha”.        

Share on Google Plus