COMÉRCIO INDÚSTRIA»» Carlos Ribeiro, o treinador da equipa


Uma equipa que em 15 jogos sofre apenas 4 golos é porque tem qualidade...


“ALGUNS ADVERSÁRIOS FIZERAM DO JOGO CONNOSCO O CAMPEONATO DELES”

Clube sadino tem nove pontos de vantagem sobre o segundo classificado na sua série e possui o melhor ataque e a melhor defesa das duas séries mas mostra alguma preocupação em relação às condições do campo da Bela Vista e adianta que o Vale da Rosa era uma boa alternativa… 



O Comércio Indústria assumiu-se desde o início da época como candidato à subida de divisão e o primeiro passo está dado com o apuramento para a fase final de um campeonato que está envolto em polémica, em primeiro lugar pela divergência de ideias quanto ao modelo de competição e agora devido ao adiamento da última jornada na Série A.

A equipa alvinegra tem vindo a fazer uma carreira exemplar e o nosso jornal falou com o treinador Carlos Ribeiro que abordou algumas questões pertinentes…


A época está a correr de feição ao Comércio Indústria?
- Sim, o primeiro objectivo está alcançado. Mostrámos alguma superioridade nesta primeira fase em relação à maior parte dos adversários e os números falam por si. Os 55 golos marcados e os 4 sofridos são bem reveladores da nossa superioridade. Agora vamos ver o que nos reserva a segunda fase.

Quer dizer que não houve de adversários à altura do Comércio Indústria, nesta primeira fase?
- Vi alguns adversários que se agigantam quando defrontaram o Comércio Indústria e fizeram do jogo connosco o campeonato deles, mas nós conseguimos mostrar que somos muito superiores. Os números são como o algodão, não enganam. Uma equipa que em 15 jogos sofre apenas 4 golos é porque tem qualidade.

Uma equipa que tem uma mescla de experiência e juventude?
- Eu diria que nesta época temos aquilo que o ano passado nos faltou, mais opções em termos ofensivos. O ano passado sentimos essa lacuna e este ano tentámos rectificar. O que nos está a preocupar para a segunda fase é o nosso campo. Desejávamos ter um campo melhor mas este é o que temos. Peço desculpa aos nossos adversários mas bem vistas as coisas eles só cá vêm uma vez e nós temos que trabalhar nele todos os dias, com a agravante de ser utilizado também por todos os outros escalões.


Portanto não é uma vantagem jogar em casa num campo com estas condições?

- Não é só jogar mas também treinar. Os nossos níveis de confiança nunca estão no máximo, por isso mesmo. Se treinássemos com outras condições os nossos níveis de confiança estava muito mais elevados como aconteceu no início da época nos jogos da Taça em que defrontámos o Alcochetense e o Barreirense. Não fomos em nada inferiores porque nessa altura o campo ainda estava em boas condições. O ideal seria utilizarmos o Estádio do Bonfim.

Mas isso é impossível?
- Na nossa cabeça era uma hipótese mas para os responsáveis do Vitória se calhar é difícil porque está a atravessar também uma fase difícil e pretende ter também o campo em boas condições para si.

E não há outra alternativa?
- A Câmara Municipal de Setúbal tem um estádio novo com pouca utilização mas parece que fecha as portas aos clubes da cidade. Estou a falar do Vale da Rosa que poderia ser utilizado pelo Comércio Indústria porque tem uma relva maravilhosa é um conjunto de excelentes condições. Fica a ideia de que a câmara está de costas voltadas para um clube centenário como é o Comércio Indústria.

Disse que na 2.ª fase não quer passar por aquilo que passou o ano passado…
- Os grandes culpados do insucesso fomos nós. O nosso maior adversário fomos nós próprios, porque não estivemos ao nosso nível em dois ou três jogos. Espero este ano ficar num dos dois primeiros lugares que dão direito à subida de divisão. Mas, deixe-me dizer que este campeonato está mal organizado, o ideal seria fazer um campeonato corrido para evitar situações como aconteceu o ano passado em que subiu um clube [Oriental Dragon] que fez menos pontos que nós. O dinheiro ganhou em relação à verdade desportiva. 

Share on Google Plus