SEIXAL Sessão de Câmara marcada por discussão sobre acordo com o Benfica - JORNAL DE DESPORTO

Última hora...

quarta-feira, 3 de abril de 2013

SEIXAL Sessão de Câmara marcada por discussão sobre acordo com o Benfica

NOTÍCIA PUBLICADA NO DIA 11 DE MARÇO, NO DIÁRIO DA REGIÃO

“Quando a esmola é muita o pobre desconfia”


  O protocolo a celebrar entre a CMS e o Sport Lisboa e Benfica, fez “aquecer os ânimos” na reunião camarária desta quinta-feira PS, PSD e BE pediram expicações o que desencandeou alguma “fricção”, com o presidente da Câmara a acusar o PS de estar em campanha eleitoral e não querer obra.

Em causa está a cedência de uma parcela de terreno com aproximadamente 25.000 m2, no valor de um milhão, quatrocentos e quarenta e um mil, quinhentos e sessenta e oiro euros ”estimada como necessária à construção pela Sport Lisboa e Benfica e Futebol Sad, de dois campos de treino e respectivas estruturas, como forma de assegurar a sua capacidade de resposta na área da formação dos jovens”. Em troca, volta à posse da autarquia, o Campo do Bravo depois de recuperado, que foi adquirido pelo clube da Luz, após processo judicial e ainda um campo de apoio a construir. “Trata-se de um passo muito importante para o Benfica mas também para a Câmara”, disse Alfredo Monteiro, que também explicou que a parcela de terreno se manterá afecta ao domínio público municipal, “a Câmara gere e ganha equipamentos”, explicou.

Luís Cordeiro (BE) não só não se mostrou muito convencido com o negócio como também, quis saber se estão acautelados os interesses dos munícipes e pediu esclarecimentos sobre a utilização dos equipamentos. “O Benfica outorga o Campo do Bravo que comprou por 531.015,35 mil euros; depois vai fazer obras no valor de 767.094,72 e ainda, diz o protocolo que o Benfica irá construir um campo de jogos no valor de 963 mil euros. Só vai receber um terreno, dão-nos dois milhões e duzentos mil e recebem um milhão. Quando a esmola é muita o pobre desconfia”, sublinhou o autarca que no caso do assunto não ficar esclarecido ameaçou votar contra.


Já Samuel Cruz, disse não entender a necessidade de existirem mais campos de futebol “num local onde nem existe uma equipa de futebol sénior”, para além de, tal como estava projectado, “perdermos uma cidade desportiva”, e acrescentou, que se invocou “interesse público para se construir o Centro de Estágios; foi falado que as crianças do concelho iriam usufruir do Centro de Estágios, mas nada disso está a ser cumprido. Temos aqui todo um historial de incumprimentos e os interesses dos munícipes não estão acautelados”.

 As dúvidas e algumas afirmações conduziram o presidente da Câmara à indignação a repetir os benefícios que advêm da permuta sublinhando que, “o Benfica manifestou intenção de trazer a equipa B para o concelho. Estamos aqui hoje a aferir um objectivo, depois vem a permuta e aferição de horários”. Os ânimos exaltaram-se e Alfredo Monteiro desafiou o vereador socialista para um debate público, acusando-o de estar em campanha eleitoral e não querer obra. “Estamos a falar de um parceiro que quer investir mais do que vamos dar”, sublinhou.


Para Joaquim Santos com um campo de apoio e “um estádio municipal, equipamento muito ambicionado pela Câmara, conseguiremos dar resposta às muitas instituições. A conjugação dos dois permitirá a melhor prática desportiva e o Seixal Futebol Clube terá ali utilização privilegiada",  assegurou. A proposta acabou aprovada com os votos contra do PS e as abstenções do PSD e BE que apresentou uma declaração de voto porque, “vincaram a nossa posição e só assumem esta, não tiveram a sensibilidade de esclarecer e isto é poder absoluto”, concluiu Luís Cordeiro.

Post Bottom Ad

Responsive Ads Here