2.ª DIVISÃO DISTRITAL»» PESCADORES 2 MOITENSE 1

Guarda-redes do Moitense foi expulso aos 25 minutos

Pescadores só deram a volta ao marcador mesmo no fim



Os Pescadores da Costa de Caparica venceram o Moitense por 2-1 num jogo em que a arbitragem não agradou a ninguém Os Pescadores queixam-se de dois golos anulados sem se saber bem porquê e o Moitense da expulsão do seu guarda-redes e de uma agressão de um jogador da equipa da casa que passou em claro ao juiz da partida.

De resto importa dizer que o Moitense passou a jogar apenas com dez jogadores desde os 25 minutos, altura em que o seu guarda-redes [Chusso] foi expulso. Os Pescadores não conseguiram tirar partido do facto de estarem a jogar com mais um elemento e o intervalo chegou com o marcador em branco e com o descontentamento dos Pescadores devido aos golos anulados [ver declarações do presidente, Diogo Luís] e do Moitense pelo critério apicado pelo árbitro na expulsão e Chusso.

Os golos aconteceram na segunda parte, o primeiro para o Moitense por Amieiro aos 65 minutos e os dos Pescadores na parte final do encontro; um aos 89 minutos por Igor e o outro já em período de compensação por Rafa aos 90+4’.

Com os pontos conquistados os Pescadores mantiveram na classificação o segundo lugar posição que ocupam com os mesmos pontos do Vasco da Gama de Sines que continua a ser o primeiro e o Moitense que averbou a sua terceira derrota consecutiva está em penúltimo lugar.

Na próxima jornada os Pescadores voltam a jogar em casa desta vez com o Alcacerense no jogo que vai assinalar a estreia do novo treinador, o antigo campeão do mundo de Riade, Jorge Amaral. No seu reduto joga também o Moitense que recebe o Lagameças, último classificado.



REPORTAGEM

DIOGO LUÍS, presidente dos Pescadores:

“Foi um jogo esquisito com uma arbitragem que cometeu muitos erros”

“Foi uma vitória muito difícil muito por culpa do árbitro que nos anulou dois golos, um quando expulsou o guarda-redes adversário num lance em que um jogador nosso cabeceia, depois há um choque com o guarda-redes ainda fora da área, a bola entra e o árbitro anula o golo e expulsa o guarda-redes, sinceramente não entendi a decisão. O outro aconteceu num canto, houve alguns ressaltos de bola, o nosso avançado salta mais alto, faz golo de cabeça e ele anula por uma pretensa falta que só ele viu. É evidente que isto foi enervando a nossa equipa. O Moitense a jogar com dez jogadores fechou-se bem e depois já na segunda parte na sequência de uma jogada de contra-ataque num lance de bola parada e chegou ao golo que lhe deu vantagem. Nós que já tínhamos atirado duas bolas à trave e dois golos anulados ficámos a perder e tudo se tornou muito complicado. Depois foi uma questão de querer e acreditar, fomos insistindo e acabámos por marcar praticamente aos 90 minutos e já nos descontos. Creio que se fez justiça num jogo muito esquisito que teve uma arbitragem que cometeu muitos erros”.


NUNO PAULINO, treinador do Moitense

“Para nós o empate já teria sido injusto, quanto mais a derrota”

“Vínhamos um pouco desanimados com as duas derrotas sofridas em casa mas fomos psicologicamente fortes e entrámos muito bem no jogo. Fizemos 25 minutos de luxo, encostámos o adversário ao seu meio campo e criámos algumas situações de golo mas depois na primeira vez que o adversário sai, num contra-ataque há um choque ainda fora da área entre o meu guarda-redes que tentava jogar a bola com a cabeça e um jogador do Costa de Caparica e com um dos nossos laterais, e o árbitro expulsou o Chusso. Ficámos reduzidos a 10 jogadores e encolhemo-nos um pouco mais no nosso campo sem consentir contudo qualquer tipo de oportunidades ao adversário. Já na segunda parte conseguimos chegar ao golo mas depois voltámos a ser infelizes ao consentirmos dois golos nos últimos minutos do jogo; o primeiro aos 90 minutos, num lance em que parece haver fora de jogo, e o segundo aos 90+4´num remate fortíssimo do adversário que fez um grande golo. Para nós o empate já teria sido injusto, quanto mais a derrota. Por aquilo que o Moitense jogou mesmo com as condicionantes que tínhamos em termos de lesões não merecia este resultado que foi completamente contraditório ao que se passou em campo Quero também realçar que houve um jogador meu que sofreu uma entrada [agressão] despropositada de um adversário que lhe arrancou um bocado de carne da perna, como pode ser comprovado através de fotografias que vamos enviar à AFS. Lamentamos que o árbitro não tenha cumprido as regas e não tenha expulsado aquele jogador como expulsou o nosso num lance muito menos inofensivo. Continuo a dizer que temos uma grande equipa e um grande plantel. Estamos a atravessar uma fase menos boa mas tenho a certeza que a sorte vai mudar e que mais tarde ou mais cedo vamos dar a volta por cima”.



FICHA DO JOGO

Jogo no Campo dos Pescadores, na Costa de Caparica
ÁRBITRO: Filipe Costa (Núcleo de Setúbal)

PESCADORES: Hernâni; Spencer (Rodrigo), Roger, Palma, João Martins (Igor); Pelé, Bala, Fábio Lemos; Hugo Semedo, Júlio (Rafa) e Dany.
TREINADOR: Steve

MOITENSE: Chusso; Sandro, Gonzaga, Espada, Parafuso; Lobo, Tuga, Amieiro (Pedro Nuno, 85’); Pipo (Joel, 20’ e Ismael, 75’), Ricardo (Gonçalo, 60’) e Tarik (Gerson, 25’).
TREINADOR: Nuno Paulino

Ao intervalo: 0-0
Marcadores: 0-1, Amieiro (65’), 1-1, Igor, 89’; 2-1, Rafa (90+4’).
Disciplina: Cartão vermelho directo para Chusso, aos 25 minutos.
Share on Google Plus